O Fim, A Morte…

the endTenho evitado escrever este post. Há mais de 1 mês, fujo dele e deste pensamento como zebras fugindo de um predador felino. Contudo, é como a Oráculo diz para Neo, através do agente Smith – clique aqui para ver – “Tudo o que tem um começo, tem um fim.”

Em abril, decidi, depois de muito meditar, que voltaria a morar em São Paulo, para ficar mais perto da família, dos amigos e de novas possibilidades de vida. Há um bom tempo eu queria voltar, sentia falta da antiga vida ali, das pessoas, da cidade. O Nordeste, onde moro atualmente, já tem quase 2 anos, é um lugar maravilhoso, porém, não consegui me conectar, não consegui criar muitas amizades nem raízes.

Consegui, contudo, conhecer aquela pessoa especial, por quem me apaixonei e com quem namoro há mais de 1 ano. Já tem quase 1 ano, ele é minha única razão por não ter voltado antes para Sampa.

Porém, em 13 de março, no dia em que o Papa Francisco foi eleito, um dia em que descobri diversas coisas sobre mim e entrei em um processo de mudança diferente de vários outros… nesse dia, ele descobriu que havia sido aprovado para uma universidade na França e me contou que iria embora, estudar lá.

Fiquei feliz, claro. Eu adoraria ter tido uma oportunidade dessas quando estava na faculdade e é claro que ele tem de ir e aproveitar o máximo tudo isso. Todavia, e nós? Chorei um monte nos dias seguintes à notícia e comecei a imaginar a vida aqui sem ele. Impossível. Não dava! Que vida, sem ele? Minha vida, minha família, meus amigos e um monte de outras coisas que têm tudo a ver comigo estavam mesmo em São Paulo.

Comecei a pensar seriamente na mudança e, a cada dia, um sinal novo de que eu deveria ir. Conversei com ele e, ele, concordou com minha decisão, apesar de isso talvez complicar um futuro reencontro ou algo assim, quando ele voltar do exterior.

No meio de abril, tomei a decisão, avisei no trabalho e comecei o movimento de volta. Até aí, tudo legal. Afinal, as coisas ainda estavam tão distantes, eu ainda tinha tempo para aproveitar, para curtir ao máximo ele e todas as coisas que eu adoro aqui nesta terra deliciosa. Passou 1 mês. E agora passaram quase 2 meses…

Ontem, o caminhão da mudança veio retirar quase todas as minhas coisas. Vou ficar 1 mês sem nada em casa, só a cama, o computador e roupas. Teve de ser assim, pois eu aproveitei um caminhão de São Paulo que estava voltando. Ajuda no preço, sabe? Enfim…

Ontem, o caminhão da mudança veio. A casa ficou vazia. E esse assunto que eu evitava tanto abordar, bateu-me como marreta no coração. Ainda não acabou, mas agora é só mais 1 mês. Todo mundo sabe como 1 mês passa, né? Rápido… rápido demais. O fim se aproxima. A morte de uma vida, minha vida aqui no Nordeste. Pior… ele vai embora… eu vou embora. E por mais que queiramos nos encontrar e continuar… depois de um ano e da distância, fica a pergunta: será?

Esse post foi publicado em Caminhando, Namoro, Relacionamentos, Sentimentos, Trabalho e marcado , , , , , , , , , , . Guardar link permanente.

3 respostas para O Fim, A Morte…

  1. Bronson disse:

    Força!!! Sempre há novas veredas, sempre há novas esperanças, sempre há… E quem sabe, tudo caminhe para o que você deseja!!! A vida realmente é uma caixa de bombons!!! =] Abração!!!

  2. Valeria disse:

    Estou aqui te esperando!

  3. camilapigato disse:

    Ai… também estarei mais perto, nos finais de semana, mas estou doída por você, entendo totalmente o que sente… Força! Recomeços também são maravilhosos, pense neles quando o “fim” quiser reinar em você… Bjaozão!!!!!!!!!

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s